Arquivo do blog

6.11.22

Do filósofo Emilio Lledó

"En esta época de ruidos, en la que la intimidad está dejando de ser un valor, porque todo tiende a exponerse en el escaparate de las redes, él sigue mirando hacia dentro y escribiendo, trazando surcos en el tiempo. Encerrado en su estudio, en compañía de sus autores de cabecera, Lledó ha compuesto un nuevo ensayo que entrega a lectores dispuestos a parar, a reflexionar, a contemplar. Se trata de Identidad y amistad. Palabras para un mundo posibley en su prólogo nos dice: ´En nuestro tiempo, abrumado por continuas noticias en las que intuimos el consabido término de ´género humano´, se está configurando, poco a poco, el desgénero humano´. Una degeneración que, en la medida de lo posible, habría que luchar por regenerar”. 
Trecho do belo ensaio de Emma Rodriguez sobre o livro Identidad y amistad - El mundo como posibilidad, (edição Taurus), publicado no portal Lecturas submergidas.

Sobre a velhice na Grécia antiga


Los problemas de ser viejo en la antigua Grecia

Recomendo a leitura desta interessante matéria escrita pelo historiador espanhol Francisco Martinez Hoyos, publicada na revista Historia Y Vida/La Vanguardia.

O guia do Herzog.

¿Qué tan importante, pregunta Herzog en su ensayo “Sobre lo absoluto, lo sublime y la verdad extática”, es lo fáctico? ´Desde luego, no podemos hacer caso omiso de lo fáctico; tiene un poder normativo. Sin embargo, jamás nos podrá dar la especie de iluminación, el destello extático, del que surge la verdad. "
Trecho do Guia para perplejos, do cineasta Werner Herzog.

2.11.22

Ecos de um certo Outubro de 2022

Brasil: un silencio de sepulcro

(Eric Nepomuceno)

”En pocas ocasiones, al menos en la historia más reciente de Brasil, la expresión ´silencio de sepulcro´ ha sido tan justificada como ahora, frente al mutismo absoluto de Bolsonaro luego de la derrota.
Tal sepulcro, sin embargo, se refiere solamente a la trayectoria política del desequilibrado que supo ser el peor presidente de la Historia de mi país."

(Página12. 01 Nov. 2022)

/////////////////////////

Hacia el tercer turno

(Atilio Borón)

"La duda sobreviene cuando se examina si ese mismo conglomerado político donde incómodamente conviven fuerzas históricamente enfrentadas - unidas como diría Borges más por el espanto que suscitaba Bolsonaro que por el amor que se profesaban- será capaz de garantizar la correcta dirección de la marcha del gobierno e impedir cruciales deserciones y letales episodios de ´fuego amigo´ a medida que se tomen las duras medidas requeridas para enfrentar con éxito la crisis."
(Página12. 01 Nov. 2022)

/////////////////////////

Que os mortos tenham direito de votar

(Vladimnir Safatle)

"Por isso, hoje não votarão apenas os vivos, votarão também os mortos. Ressurretos por um momento, eles segurarão a mão da insanidade como quem diz: ´Nós não seremos mortos uma segunda vez´."
(A terra é redonda. 30 Out. 2022)


26.9.22

Noemi Jaffe questiona conceito de 'começo'


Uma entrevista muito interessante com a escritora
Noemi Jaffe, realizada 
pela TV UOL e publicada no
YouTube em 2016, em que a autora comenta 
com os dois
entrevistadores, entre outros assuntos,  o seu Livro
dos começos
. Este livro será objeto da Roda de conversas
do Itaú Cultural do dia 24/09/2022.

18.9.22

Música da antiga Grécia

Um belíssimo programa radiofônico que acabo de receber do amigo Cláudio Remião, Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que é também o seu idealizador, produtor e apresentador.





17.9.22

Carta do Jamil Chade ao Mark Zuckerberg

 

Carta a Zuckerberg: a democracia foi hackeada?

Prezado Mark Zuckerberg,

Li nos jornais espanhóis uma notícia que desfarelou meu coração. A polícia descobriu na casa de um ex-carteiro mais de 20 mil envelopes que jamais foram entregues. As contas de luz, os eternos boletos e alertas judiciais estavam lá, para a sorte daqueles que não as receberam. Mas também estavam naqueles sacos de lixo milhares de cartas de amor, pedidos de perdão, convites para uma nova vida, declarações sinceras de amizade.

Nenhuma delas jamais entregues.

Originalmente, essa carta eu escrevi para minha companheira de correspondências, Juliana Monteiro, e faz parte de um novo livro que vamos lançar, na próxima semana: "Ao Brasil, com Amor" (Editora Autêntica).

Agora, eu envio essas palavras ao senhor.

Sabe, fiquei pensando quantos namoros asfixiados estavam naquelas sacolas imundas de pó naquela casa descoberta pela polícia. Quantos apaixonados que, diante da falta de uma resposta, fizeram suas malas e deixaram a cidade. Diante do silêncio, mudaram de vida, de amores.

O senhor que havia cometido o crime foi devidamente denunciado. Se, enquanto eu lia a história uma certa angústia me tomava o espírito, foi a acusação que me obrigou a refletir.

No documento oficial dos procuradores, o delinquente era denunciado e detido por um crime bárbaro: "a infidelidade na guarda de documentos". Infidelidade: quantos crimes foram cometidos em seu nome.

Não é verdade que, depois de dedicar horas em um texto, buscar um papel, selo, envelope e, com o coração batendo forte, buscar uma caixa de correio, entregamos tudo à sorte. Há, entre o remetente e o correio, um pacto de confiança. É verdade que se trata de um pacto com regras, contratos, padrões, um sistema sofisticado de envios e até uma organização internacional com sede na palpitante cidade de Berna.

Mas, acima de tudo, trata-se de um acordo de confiança mútua.

Essa mesma relação é o que marca instituições como o dinheiro. As regras existem, com seus bancos centrais e um elaborado sistema financeiro. Mas aquele pedaço de papel apenas tem um valor por existir um pacto na sociedade de que o lastro é aceito por todos.

Em nossas vidas, existe outro acordo: o da democracia. Sim, países contam com constituições, leis, tribunais e uma infraestrutura para garantir que suas regras sejam respeitadas e cumpridas. Mas, uma vez mais, nada disso se sustentaria se não houvesse um pacto de sociedade maior.

Hoje, porém, ele está profundamente ameaçado. Numa aliança espúria entre os desiludidos pelas promessas de uma vida melhor, os frustrados pelo capitalismo, os privilegiados que se recusam a abrir mão de seu poder e charlatães de toda espécie, nutre-se a ideia de que existem caminhos alternativos para uma sociedade.

Estariam dispostos a operar uma fraude massiva nas urnas? Estariam prontos para uma ruptura?

Mas, senhor Zuckemberg, minha impressão é que a ameaça é muito maior e a fraude no sistema já está ocorrendo em grandes proporções. Para que o pacto da democracia e das urnas funcione, a base é a de que todos nós votaremos com pleno controle de nossas consciências.

Mas qual a legitimidade de um sistema eleitoral se nossas preferências foram hackeadas? E se nossas decisões foram sequestradas?

Saqueadas sem que soubéssemos. Pior, com nossa ajuda. Ao longo de quase duas décadas, entregamos todos nossos dados a um sistema sobre qual não temos controle algum e sequer sabemos como funciona.

Descobrimos, nos últimos anos, acordos entre essas plataformas e serviços de inteligência. Descobrimos contratos entre essas empresas e a venda de nossas informações, transformando garotos em bilionários. O senhor sabe do que estou falando.

Certa vez, em Londres, Julian Assange me recebeu na embaixada do Equador, onde ele fugia da polícia. Num papo longo, ele insistia que as redes sociais poderiam ser chamadas como "o maior roubo da história". E com a nossa cumplicidade.

Claro, o roubo de todos nossos dados, nossa privacidade e, talvez, de nossos destinos.

Para as redes que nos dão a impressão de serem virtuais, contamos quantos filhos temos, o que compramos, quem admiramos, quem são nossos amantes e entregamos as mentiras para proteger um segredo. Postamos nossas alegrias e nossas tristezas.

Hoje, o senhor sabe mais de mim que minha mãe. No fundo, vocês me conhecem melhor que eu mesmo. Sabem onde eu sugeri um encontro entre a minha casa e a da pessoa pela qual me apaixonei. Ela sabe o que pensei no dia 1 de janeiro de 2016, numa madrugada de insônia, no dia do nascimento do meu primeiro filho ou em qualquer outra data. Está armazenado no sistema quais palavras eu coloquei num buscador e, portanto, o que eu estava pensando.

Nenhum regime totalitário, com sua ampla rede de espiões e tentativa de controle, jamais sonhou ter em suas mãos tal poder sobre sua população.

Mas essa, sr. Zuckerberg, não é apenas uma história do confisco de nossos dados, transformado em fortunas inimagináveis. Há, no fundo, uma batalha por nossas consciências. Na verdade, uma guerra total. Se eu posso saber cada uma das preferências daquela pessoa, nada me impede de levá-la a consumir certos produtos. E oferecer exatamente o que ela achou que precisava.

Nada me impede de apresentar àquele potencial consumidor um novo artista, com base nas preferências que eu sei daquele meu cliente.

E nada me impede de, eventualmente, direcionar o debate político ou social para favorecer um certo movimento político. Eu posso ensinar o ódio, o nojo e o desprezo. Eu posso erguer um mito.

O voto consciente, portanto, estaria ameaçado por um sistema capaz de criar uma realidade paralela e deslocada.

No século 21, nossas consciências estão no centro do debate. Mas, aqui, retomo o questionamento do historiador Yuval Noah Harari. Sem o controle sobre nossas decisões, o sistema democrático entraria em colapso? Qual legitimidade do voto se minha escolha não é mais minha?

Eles saberão de nosso futuro antes de nós mesmos? Mas se eu sei o teu futuro antes de você, eu talvez possa moldar esse teu destino, sempre deixando que você acredite que foram tuas as decisões.

Na Primavera Árabe, um cartunista amigo meu, Patrick Chappatte, rabiscou algo que revelava muito daquele momento e do otimismo que tínhamos sobre as redes sociais. Ele desenhou um encontro fictício entre Hosni Mubarak e outros ditadores da região. Pela janela do local onde os líderes autoritários conversavam, podia-se ver uma multidão que pedia democracia. E um deles questionava aos demais: quantos inimigos vocês têm hoje no Facebook?

Sim, era ainda um momento de esperança das redes sociais. Hoje, sem controle, são essas mesmas plataformas que podem cancelar a democracia. O pacto foi desfeito? Será que ele chegou a existir?

Ao mandar esta carta ao senhor, espero que o correio cumpra sua parte do acordo. Se alguém vai definir meu destino, que seja arrombando a porta da minha casa, do meu coração. E que eu esteja com minhas faculdades mentais intactas.

Saudações democráticas.
Jamil
(De tão interessante que eu achei, resolvi transgredir as regras dos impérios comerciais e transcrevi, ipsis litteris, esta carta do jornalista Jamil Chade, publicada no portal UOL no dia 02 de setembro deste ano) 

6.9.22

A escuta nas ruas

Terça, véspera do feriado! Apareço aqui para divulgar o excelente dossiê publicado na edição 285, deste Setembro, da revista Cult.

Onde mora o perigo, lá também cresce o que salva
(Friedrich Hölderlin)


(Ilustração: Fernando Saraiva/Revista Cult)



"No século 20, repetimos inúmeras vezes esse verso de Hölderlin sem saber como ele seria atual no século 21. Indivíduos, grupos, sociedades estão sendo atravessados ininterruptamente por processos individuantes que dissolvem e transfiguram o rosto do mundo. O Estado-nação também se transforma em Estados plurinacionais – a Bolívia já conquistou e o Chile ensaia essa possibilidade –, e o conceito-experiência de revolução que vivemos desde a Revolução Francesa já não nos serve. Ele sofre uma nova mutação, torna-se micropolítica, e não só no Brasil, mas na América Latina como um todo"  (trecho do artigo da psicoterapeuta e professora Amnéris Maroni, nessa publicação). Leitura altamente recomendável. 

4.9.22

Spinoza, nosso contemporâneo?

Interessantíssimo dossiê sobe a contemporaneidade do pensamento de Baruch Spinoza, publicado no número 285 (Setembro 2022) da excelente revista Letras Libres. Recomendo também a leitura do artigo de Christopher Domínguez MichaelProust y su mundo mataron a Roland Barthes, na mesma revista. 



Do filósofo Emilio Lledó

" En esta época de ruidos, en la que la intimidad está dejando de ser un valor, porque todo tiende a exponerse en el escaparate de las ...